Cómo citar
Martínez-MinaC.-Y. (2019). Las mujeres también pueden: Historia de vida en el fútbol. Búsqueda, 6(23), 468. https://doi.org/10.21892/01239813.468

Resumen

Como resultado de uma pesquisa qualitativa, e considerando os argumentos teóricos dos Estudos Culturais e Estudos de Gênero em seus aspectos pós-estruturalistas, este artigo analisa as experiências das jogadoras da equipe de futsal da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), identificando a forma como a categoria relacional de gênero apareceu nos diferentes contextos sociais, em função de serem mulheres que praticavam futebol. Com base na contribuição teórica e metodológica da História Oral, foram realizadas entrevistas sobre as histórias de vida de quatorze jogadoras, participantes da equipe universitária em 2014. Foi possível identificar quatro categorias de análise: a maneira como as jogadoras iniciaram o esporte do futebol; as características do futebol no contexto escolar; a participação esportiva das jogadoras em relação ao futebol; e os significados que as jogadoras atribuíram à prática do futebol. As conclusões arrojaram a influência das normas de gênero, no desenvolvimento das habilidades esportivas, e nas possiblidades de participação a nível competitivo. De igual forma, a importância das aulas de educação física baseadas no respeito à diversidade, mesmo de gênero, como um desafio no âmbito escolar. Finalmente, os significados atribuídos à prática esportiva, foram relacionadas com sociabilidade, paixão, amizade, e lutas políticas em torno a serem mulheres.

Licencia

Creative Commons License
Esta obra está bajo licencia internacional Creative Commons Reconocimiento-CompartirIgual 4.0.

Citas

Altmann, H. (1998). Rompendo fronteiras de gênero: Marias (e) homens na Educação Física. Belo Horizonte: Dissertação (Mestrado em Educação) - Curso de Pós-graduação em Educação. Universidade Federal de Minas Gerais.

Altmann, H. (2009). Currículo, gênero e esportes. Em Costa Ribeiro, P. R.; Santos Da Silva, M. R.; Goellner, S. Corpo, gênero e sexualidade (pp. 57 – 65). FURG.

Altmann, H.; Reis, H. (2013). Futsal feminino na América do Sul: trajetórias de enfrentamentos e conquistas. Movimento, 19(3), 211-232. https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/35077

Andrade, L. (2015). Depoimento de Laura Giovana dos Santos Andrade. Projeto Garimpando Memórias. Centro de Memória do Esporte ESEFID/UFRGS. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/156369

Araújo, M. L.; Silveira, R. D. (2013). As trajetórias de jogadoras de futebol: processos de socialização em jogo. Espaço Plural, 29(14), 271-297. http://cev.org.br/biblioteca/as-trajetorias-de-jogadoras-de-futebol-os-processos-de-socializacao-em-jogo/

Bertoli, L. (2014). Depoimento de Luiza Loy Bertoli. Projeto Garimpando Memórias. Centro de Memória do Esporte - ESEFID/UFRGS. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/149067

Bardin, L. (1986). El análisis de contenido. Akal.

Bento, B. (2011). Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Estudos Feministas, 19(2)19, 548- 559.

Dornelles, P. G. (2011). Marcas de gênero na Educação Física Escolar: a separação de meninos e meninas em foco. Motrivivência, 23(37), 12-29. https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/24447

Espirito Santo, R. (2015). Depoimento de Rafaela Cavalheiro do Espirito Santo. Projeto Garimpando Memórias. Centro de Memória do Esporte ESEFID/UFRGS. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/148589

Fagundes, T. (2015). Depoimento de Thayná Lima Fagundes. Projeto Garimpando Memórias. Centro de Memória do Esporte. ESEFID/UFRGS. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/156368

Fernandes, V.; Mourão, L. (2013). Representações de feminilidades no boxe para mulheres. Seminário Internacional Fazendo Gênero, 10, 1-12. http://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/20/1381509139_ARQUIVO_VeraFernandes.pdf

Ferrarotti, F. (2011). Las historias de vida como método. Acta Sociológica, (56), 95-119. http://www.revistas.unam.mx/index.php/ras/article/view/29459/27408

García, M. F.; Lagardera, F. O.; Puig, N. B. (2002). Cultura deportiva y socialización. En García, M. F.; Lagardera, F. O.; Puig, N. B. Sociología del Deporte. 2. ed. Alianza. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=2104094

Giozza, R.R. (2014). Depoimento de Rafaela Rocha Giozza. Projeto Garimpando Memórias. Centro de Memória do Esporte ESEFID/UFRGS. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/156367

Goellner, S. V. (2007). Feminismos, mulheres e esportes: questões epistemológicas sobre o fazer historiográfico. Movimento, 2(13), 171-196. http://seer.ufrgs.br/Movimento/article/viewFile/3554/1953.

Goellner, S. V.; Muhlen, J. C.; Maurmann, A.; Romero, C. S. (2007). Garimpando Memórias: Esporte, Educação Física, Lazer e Dança no Rio Grande do Sul. Em Goellner, S. V.; Jaeger, A. A. Garimpando Memórias: Esporte, Educação Física, Lazer e Dança. UFRGS. https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/81279/000606390.pdf?sequence=1

Hernández-Sampieri, R; Fernández-Collados, C; Baptista-Lucio, M. (2010). Metodología de la Investigación (5 ed.). McGrawHill.

Joras, P. (2015). Futebol e mulheres no Brasil: a história de vida de Aline Pellegrino. (Dissertação de Mestrado). Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança, Universidade Federal de Rio Grande do Sul.

Larrosa, J. (2011). Experiência e alteridade em Educação. Revista Reflexão e Ação, (2)19 02, 04 – 27. http://dx.doi.org/10.17058/rea.v19i2.2444

Lorenzo, A.; Sampaio, J. (2005). Reflexiones sobre los factores que pueden condicionar el desarrollo de los deportistas de alto nivel. Apuntes Educación Física y Deportes, 80(2), 63-70. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=1183654

Louro, G. (1997). Gênero, Sexualidade e Educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes.

Machado, J. D. L. (2015). Depoimento de Jaqueline de Lima Machado. Projeto Garimpando Memórias. Centro de Memória do Esporte. ESEFID/UFRGS. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/149086

Machado, L. S. (2015b). Depoimento de Lícia Sobrosa Machado. Projeto Garimpando Memórias. Centro de Memória do Esporte. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/148631

Máximo, R. F. (2015). Depoimento de Renata Fragoso Máximo. Projeto Garimpando Memórias. Centro de Memória do Esporte. ESEFID/UFRGS. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/156372

Mazo, Z.; Silva, C. F. D.; e Lyra, V. B. (2010). As mulheres no cenário do associativismo esportivo em Porto Alegre/RS na transição do século XIX para o XX: alternativas de sociabilidade e lazer para elas. Licere, 3(13), 1 – 25. https://periodicos.ufmg.br/index.php/licere/article/view/798

Moreira, M. D. F. S.; Cunha, A. M. G. D. (2008). Garotas no futebol: trajetórias de gênero e sexualidade. Fazendo Gênero, Corpo, Violência e Poder, (8), 1-8.

Mota, M. M. (2014). Depoimento de Miraildes Maciel Mota (Formiga). Guerreiras Projet. Centro de Memória do Esporte. ESEFID/UFRGS.

Nunomura, M.; Oliveira, M. S. (2014). A participação dos pais na carreira das atletas femininas de ginástica artística: a perspectiva dos técnicos. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 01(28), 125-134. http://dx.doi.org/10.1590/S1807-55092014005000004

Pereira, L. M. L. (2000). Algumas reflexões sobre histórias de vida, biografias e autobiografias. História Oral, (3), 117-127. http://revista.historiaoral.org.br/index.php?journal=rho&page=article&op=view&path%5B%5D=26&path%5B%5D=20

Pinho, C. D. F. (2015). Depoimento de Carolina Dertzbocher Feil Pinho. Projeto Garimpando Memórias. Centro de Memória do Esporte. ESEFID/UFRGS. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/149083

Polese, P. (2015). Depoimento de Vanessa Prestes Polese. Projeto Garimpando Memórias. Centro de Memória do Esporte. ESEFID/UFRGS. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/148628

Ramos, S. D. S. (2015). Depoimento de Suellen dos Santos Ramos. Projeto Garimpando Memórias. Centro de Memória do Esporte. ESEFID/UFRGS. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/149071

Ribas, L. O. (2015). Depoimento de Leticia Oscar Ribas. Projeto Garimpando Memórias. Centro de Memória do Esporte. ESEFID/UFRGS. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/156374

Scott, J. W. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71-99.

Shaw, S. (2007). Gender in sport management: a contemporary picture and alternative futures. In: Aitchison, C. C. Sport and Gender Identities. Masculinities, femininities and sexualities, 74-89.

Silva, M. V. P. D. (2008). Controle e normalização: Michel Foucault e a relação entre corpo e poder. Revista de Teoria Política, Social e Cidadania, (03), 87-98. http://www.fbb.br/media/Publica%C3%A7%C3%B5es/Domus/5%20Vinicius%20ok%20Foucault%20Domus%20corrig%20por%20ele.doc.pdf

Silveira, R. D. (2008). Esporte, homossexualidade e amizade: estudo etnográfico sobre o associativismo no futsal feminino. (Dissertação de Mestrado). Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança, Universidade Federal de Rio Grande do Sul. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/13800

Simmel, G. (2002). Cuestiones fundamentales de Sociología. Gedisa.

Sousa, E. S. D.; Altmann, H. (1999). Meninos e meninas: expectativas corporais e implicações na educação física escolar. Cadernos Cedes, 48(19), 52-68. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621999000100004&lng=en&nrm=iso

Trotta, F. D. C. (2013). Entre o Borralho e o Divino: a emergência musical da “periferia”. Galáxia, (26), 161-173. http://dx.doi.org/10.1590/S1982-25532013000300013

Tubino, M. (2001). Política Nacional do Esporte. http://portal.esporte.gov.br/arquivos/conselhoEsporte/polNacEsp.pdf

Wenetz, I.; Stigger, M. P.; Meyer, D. E. (2013). As (des)construções de gênero e sexualidade no recreio escolar. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 27(1), 117-128. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1807-55092013000100012&script=sci_abstract&tlng=pt

Zambrini, L.; Ladevito, P. (2009). Feminismo filosófico y pensamiento postestructuralista: teorías y reflexiones acerca de las nociones de sujeto e identidad femenina. Revista Latinoamericana, (2), 162-180.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Sistema OJS 3 - Metabiblioteca |